8 de jul de 2009

Curiosidades sobre cães e gatos

SUMÁRIO



Após pesquisa analisando ondas cerebrais de diversos animais, inclusive humanos, um grupo de 13 neurocientistas assinou uma declaração em agosto, na Inglaterra, afirmando que animais como pássaros, macacos, elefantes, golfinhos, polvos, cães e gatos, possuem consciência, assim como os seres humanos. Philip Low, componente do grupo de pesquisadores, afirma: "as evidências mostram que os seres humanos não são os únicos a apresentarem estados mentais, sentimentos, ações intencionais e inteligência".





Os crimes contra os animais e o meio ambiente não está mais apenas em leis específicas, mas já compõe o Código Penal Brasileiro (parte do anteprojeto do código já aprovada nem Comissão), no TÍTULO XIV - CRIMES CONTRA INTERESSES METAINDIVIDUAIS, Capítulo I - Crimes contra o meio ambiente.

Tal título deixa claro serem crimes: o tráfico de animais silvestres; qualquer ato de maus-tratos a animais; abandono (em espaço público ou privado, ou seja, dentro da própria casa do infrator ou de qualquer outro local privado também); realizar experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos; transportar animal em veículo inadequado ou em ou condições inadequadas, ou que coloquem em risco sua saúde ou integridade física do animal; deixar de prestar assistência ou socorro, quando possível fazê-lo, sem risco pessoal, a qualquer animal que esteja em grave e iminente perigo, ou não pedir, nesses casos, o socorro da autoridade pública; promover, financiar, organizar ou participar de confronto entre animais de que possa resultar lesão, mutilação ou morte. Leia em detalhes em Legislação atual (brasileira) e Legislação em São Paulo.




Gloria Kalil, em seu livro Alô Chics*, lembra que, hoje em dia, se formos visitar algum amigo que tem cachorro e não cumprimentarmos o amiguinho de quatro patas, tanto nosso amigo como seu cachorro vão se sentir ofendidos até nos dermos conta da gafe! O elegante é tratar o cão tão bem quanto qualquer outro membro da família.

Moderno e justo!

*Livro publicado em 2008, em São Paulo, pela editora Ediouro.


Cuidados durante o passeio com o cão, questões de etiqueta e até de Lei!

Já li em algum site de etiqueta que é elegante segurar a guia do cão com a mão esquerda. Interessante saber, mas nada prático de realizar! Segundo Gloria Kalil, etiqueta é uma questão de bom senso. Portanto, penso que deselegante seria se o cão escapasse. Deselegante e perigoso! Portanto, destros devem segurar a guia com a mão direita, na qual têm mais força, ou mesmo com as duas mãos, caso o cão seja muito forte.

O que é realmente importante e elegante é que donos de animais responsabilizem-se corretamente por eles. Durante os passeios, que devem ser sempre com coleira e guia, o adequado é portar mais de uma sacola plástica para recolher possíveis cocos feitos pelo cachorro. Em alguns municípios, como por exemplo o de São Paulo, donos que deixarem de ter essa atitude (recolher o cocô) podem até ser multados. E em todos os locais, donos que não recolhem sujeiras feitas por seus animais certamente são vistos como deselegantes e mal educados!

Referências:

Gloria Kalil - Alô Chics, São Paulo: Ediouro, 2008.

Documento Lei da Posse Responsável de Animais disponível em: http://www.robertotripoli.com.br/wp-content/uploads/2008/11/lei_13131-01.pdf


Já é possível clonar animais de estimação?

Sim. Com o advento da tecnologia moderna aliada às ciências, cada vez mais é possível realizar quase tudo que se desejar, inclusive clonar animais domésticos para fins de satisfação pessoal de proprietários. Porém:
- considerando atos éticos quaisquer ações que não prejudiquem de nenhuma forma viva, bem como o meio ambiente, não há o que se discutir: clonar animais de estimação é antiético caso se considere que a pessoa que tiver seu animal de estimação clonado deixa de adotar animal carente já nascido.
- Até agora, as técnicas de clonagem ainda não geram clones perfeitos: eles têm a saúde mais frágil e sobrevida menor.
É importante lembrar que o clone e o animal clonado são seres vivos diferentes (e não o mesmo ser), isso porque um clone de um determinado animal pode ser produzido, nascer e viver antes desse primeiro animal morrer. Não é preciso entrar em assuntos sobre “alma única” (e nem em outros assuntos ainda não comprovados cientificamente) para se perceber a lógica de tal afirmação.


Tratamento espiritual para animais

Centros espíritas dão passes espirituais em animais. Os tratamentos ajudam a melhorar a saúde e comportamentos indesejados. É importante lembrar que o tratamento espiritual não dispensa cuidados veterinários.

Seguem locais que realizam o trabalho:

- Grupo Fraternal Francisco de Assis,
Estrada Galvão Bueno, 5143 - São Bernardo do Campo, São Paulo - tel.: (11) 4396-2297
Palestra (1 hora) e passes aos sábados

- Associação Espírita de Amigos dos Animais (Asseama)
Rua Manoel de Moura, 63 – Parque Vitória, Zona Norte, São Paulo - tel.: (11) 3534-3643
Palestra (20 minutos) e passes às quintas, sextas e aos domingos

Fonte: DGABC


Antepassados dos gatos

Segundo estudos recentes, os felinos têm origem do Felis silvestris lybica, do Oriente Médio.


Genoma

Genoma é o conjunto haplóide (n) de cromossomos (estrutura que contém, entre outras, DNA) que existe em cada ser vivo. O humano possui 46 cromossomos em suas células diplóides (2n), sendo 23 de cada tipo: um conjunto herdado do pai, outro, da mãe. Portanto, seu genoma (2n = 46) equivale a 23 (n = 46/2) cromossomos.
A maioria dos organismos possui células somáticas diplóides.
Você sabe qual o valor (n) do genoma de seu amigo cachorro?
Então veja uma lista do número haplóide de cromossomos de alguns amimais:

Homem: 23
Cão: 39
Gato: 19
Camarão: 127
Pernilongo: 3
Coelho: 22

Fonte: Sezar Sasson - Biologia Celular e Genética, São Paulo, Anglo Vestibulares, 2002.


Os góticos e os animais de estimação

Ao contrário do que muitos pensam, góticos não são necessariamente praticantes de magia negra. Todos os que conheço são contra tal prática ridícula, sem fundamento e cruel, usada unicamente como desculpa para diversão e sem nenhuma comprovação de funcionalidade. Hoje em dia, crueldades com animais constituem crime federal; portanto, se você souber alguém que as pratica, denuncie à polícia civil, federal ou a órgãos protetores de animais.

A loja Profecias da Galeria do Rock (Rua 24 de Maio, São Paulo, Brasil) aceita doações de ração, cobertores, coleiras, casinhas usadas e sabão em pó para o projeto que a Regina (foto ao lado) desenvolve. Mais informações sobre o projeto são encontradas na página da loja.


Nenhum gato é traiçoeiro!

Ser traiçoeiro é ter a capacidade de enganar um ser vivo para prejudicá-lo. Necessita de planejamento e más intenções. É uma característica unicamente humana, já que em nenhum outro animal evoluíram tais características tão complexas e que lhes seriam inúteis.

Gatos não planejam ações, nem mesmo a própria caça. Eles agem de acordo com suas vontades e instintos, porém, são capazes de aprender a não expressar determinado comportamento (como, por exemplo, não morder pessoas). Diversos experimentos em biologia e psicologia demonstram isso.

Acredito que esse mito de gato ser traiçoeiro surgiu devido ao fato de gatos não muito domesticados morderem as pessoas enquanto elas os acariciam. Isso acontece porque gatos mais selvagens (como os de rua) são bastante intolerantes a longas carícias. Um carinho breve pode ser agradável, mas quando o limite de tolerância do bichano é atingido, esses animais costumam demonstrar insatisfação mordendo. Na verdade, muitos sacodem a calda e abaixam as orelhas antes de morder, porém, não é todo mundo que sabe que isso é um aviso de que o gato está ficando irritado.


Amamos de verdade!

Experimentos científicos recentes envolvendo neuroquímica comprovam: donos de animais os amam tanto quanto pais de crianças amam seus filhos. Ao brincar com cães, a mesma ocitocina (hormônio) que é liberada ao amamentar está presente!


Chico Xavier – O Amigo dos Animais

Este é o título de um livro (foto) escrito por Carlos A. Baccelli, que conta alguns fatos da vida de Chico Xavier relacionados a animais. A leitura é educadora e agradável, recomendo para todos, independentemente da religião.

Chico sempre tratou os animais (até mesmo formigas) como seres inteligentes, com muito respeito; conversava com eles e eles retribuíam, sabia que são portadores de alma e estão em evolução, tal como os humanos. Chico também reconhecia que o termo “irmãos inferiores” não é adequado, porque eles são apenas diferentes de nós, jamais inferiores.

Algumas passagens que cito para mostrar um pouco da narrativa são:

Quando um amigo de Chico se referiu com desprezo a um cão que Chico estava prestes a alimentar: - “Chico, ele é um vira-lata...”, Chico respondeu: - “Ah, então ele é igual a mim (...)”

Chico disse em relação a uma pessoa que maltratara um gatinho: “O homem acha que ele arranja um carma só com o que faz de mal a outro homem... Uma barbaridade daquelas não fica impune não! As Leis de Deus cobram tudo...”

Após uma gatinha sua morrer: “(...) eu não vou sentir uma dor maior quando perder um parente, um amigo; vou chorar igual, sentir igual...”

As histórias de seus cães e gatos e passagens interessantes com animais são muito divertidas. Valem à pena!


Memórias Espirituais de um Gato

O livro Memórias Espirituais de um Gato, de Aurea Gervasio, trás uma narrativa doce e cheia de toques interessantes para serem pensados (não tidos como dogmas, mas pensados, por vezes discutidos).

A leitura é agradável e emocionante. Ideal para todas as idades, especialmente para crianças, fase em que se desenvolve a empatia e o amor.

Além de informações inusitadas sobre animais, comenta-se também sobre almas gêmeas, justiça divina, paz e cotidiano. Há alguns trechos da narração no blog do livro.


A Alma dos Animais

Esse livro aborda a existência e sobrevivência da alma animal de forma racional, científica, bem fundamentada, respeitosa e inteligente; não cultuando, nem incentivando nenhuma religião ou crença. A leitura é agradável, visto os inúmeros casos citados; e, sem dúvida, surpreendente.

Referência: A Alma dos Animais – A ligação especial entre o homem e o animal
A maior e mais completa pesquisa sobre a sobrevivência da alma animal
De Ernesto Bozzano
Tradução de Gabriela de França Nanni, Golden Books, 2007.


O cristianismo reconhece os animais como filhos de Deus

“Todos os seres da criação são filhos do Pai e irmãos do homem... Deus quer que auxiliemos aos animais, se necessitarem de ajuda. Toda criatura em desamparo tem o mesmo direito à proteção.” Francisco de Assis

No dia 04 de outubro é comemorado o Dia de São Francisco de Assis (o padroeiro dos animais); neste dia, é realizada a Missa Ecológica, na qual os animais são abençoados.

Segundo o Frei Gilmar José da Silva, da Ordem Franciscana, os animais podem ser levados às paróquias da ordem em qualquer dia, pois há uma oração específica para eles.

Fontes: DGABC e A Alma dos Animais, de Ernesto Bozzano, Tradução de Gabriela de França Nanni, Golden Books, 2007.


No livro Todos os Animais Merecem o Céu (foto), de Marcel Benedeti, é comentado, apesar de o conteúdo ser basicamente kardecista, que sempre que são realizadas preces a São Francisco de Assis, mesmo que estas não sejam relacionadas a animais, é gerada uma energia boa e curadora que se espalha pelo planeta sendo dividida entre todos os animais existentes. Para ler algumas orações ao santo, clique aqui.

Deixo claro não ter nenhuma religião, mas não sou contra o que pode, mesmo que porventura, ser bom!

Para ler sobre a vida e os animais segundo a ciência e algumas religiões, clique no nesse link.


Cérebro felino

Nos gatos e nos seres humanos a parte responsável pelas emoções é a mesma.

No reino animal o quociente de inteligência do gato só é superado pelo de alguns símios, como chimpanzés.

A estrutura cerebral do gato é mais semelhante a do homem do que a deste com relação aos cães.

Fonte: A Alma dos Animais, de Ernesto Bozzano, Tradução de Gabriela de França Nanni, Golden Books, 2007


Ronronar

É a capacidade do gato (e de pequenos felinos) de emitir vibração (25 vibrações por segundo) quando estão felizes; mas também ao dar luz, sob dor intensa e quando estão prestes a morrer.

Acredita-se que o som emitido por ronronar gera e transmite conforto (não apenas aos felinos, mas também a diversos mamíferos). Com relação ao homem, sabe-se que ouvir um gato ronronando diminui a pressão sanguínea e acalma! Há evidências de que ronronar acelera o processo de cura em gatos doentes.

Fontes: Gatos – 101 perguntas instigantes: curiosidades, informações veterinárias, mitos e verdades, de Marty Becker e Gina Spadafori, Buterfly editora, 2008; revistas “Mente e Cérebro”, Editora Duetto.


“Amassa Pão”

É como muitos chamam a massagem realizada por gatos (vídeo). É relaxante para quem é massageado e especialmente para o gato, que costuma dormir após fazê-la. Normalmente gatos massageiam seus donos, outros animais e superfícies macias como um cobertor de lã.

Por que eles fazem isto? Gatos realizam essa massagem em suas mães ao mamar! Creio que tal comportamento seja relaxante, pois remete o felino à sensação mais prazerosa que tinha em seu primeiro estágio de vida; portanto reduz ansiedade, acalma e proporciona prazer; em outras palavras, trata-se, na minha opinião, de uma fixação oral.*

Nem todo gato exibe tal comportamento. Alguns “mamam” em coisas como lã enquanto o apresentam.
* Fixação oral: termo utilizado nas teorias sobre desenvolvimento psicossexual humano. Resumindo, refere-se a um ou mais comportamentos que remetem o ser ao maior prazer que sentia na primeira fase de seu desenvolvimento psicossexual (a fase oral), que é mamar. É, inconscientemente, uma atitude calmante, portanto, comum de se observar em situações de angústia. Nem todo mundo tem fixação oral (segundo a teoria, mas nunca conheci ninguém que não tinha) e são exemplos os comportamentos: roer as unhas (ou quaisquer outras coisas como canetas, borracha, etc), fumar, chupar ou mordem os dedos, chupar o cabelo, morder os próprios lábios, entre tantos outros.
Nós, donos de gatos, apreciamos tal demonstração de carinho (quando eles nos massageiam, independentemente de sermos homens ou mulheres).


Passear com o focinho para fora do carro é proibido e pode resultar em multa!
Para transportar animais com segurança, o adequado é levá-los em “caixas” adequadas para tal (vendidas em petshops). No carro, ainda podem (e devem) ser usados cintos especiais.
As empresas de ônibus têm regras próprias para a viagem, consulte-as antes de embarcar com animais.

Já as empresas de transporte aéreo permitem o embarque do animal doméstico junto ao dono (no colo, em “caixa” adequada” e, algumas exigem que ele seja sedado); mas se ele tiver mais de 10kg, deve ir em caixas adequadas, sedado em junto ás bagagens. É cobrado o transporte do animal e o preço varia com seu peso.

Para animais desacostumados com a prática, viagens, mesmo curtas, podem ser muito estressantes. Antes de viajar é sempre imprescindível consultar um veterinário (com o animal presente) e proceder aos exames solicitados.

Não é só isso! Ainda são necessários documentos e outros detalhes para o transporte. Informe-se acessando: http://arcadenoe.sapo.pt/artigo/transportar_caes_e_outros_animais_carro_e_transportes_publicos/368


Um gato cleptomaníaco


Durante três anos, o gato Dusty furtou mais de 600 objetos da vizinhança na cidade de San Mateo, no estado americano da Califórnia. Segundo a edição inglesa do jornal Metro, durante o dia Dusty comportava-se com qualquer outro felino, mas, à noite, tornava-se num gato ladrão. Os donos do gato, Jean Chu e Jim Coleman, dizem que o recorde de Dusty são 11 objetos numa só noite. “Ele trazia luvas, toalhas, sapatos, brinquedos...”, contou Jean Chu.



Segundo os vizinhos, Dusty tem especial predileção por roupa feminina. Ao que parece, nenhum deles se importa com os furtos de Dusty. Sempre que alguma coisa desaparece, deslocam-se a casa dos donos do gato à procura do objeto furtado.



Bacana os vizinhos agirem como seres racionais!



Fonte: Blog Os Bichos.



Existem pessoas especializadas em recuperar animais perdidos. O serviço pode ser um pouco custoso, mas trazer nossos amorezinhos de volta não tem preço.
Alguns contatos:
Agência Philadelphia: www.detetives.com
Central Única Federal dos Detetives do Brasil: www.centralunica.com.br
Detetive Marcondes: www.detetivesaopaulo.org
Outro meio muito importante é divulgar na Internet a perda ou encontro de animal. Um dos sites dedicados a tal fim é o www.cachorroperdido.com.br
Fonte da informação: Revista Veja, 2011



Há sim um hospital público para cães e gatos em São Paulo, em funcionamento desde o dia 02/07/2012. Mas por enquanto é o único. Sendo assim, o responsável pela unidade, doutor Renato Tartalia, coloca que “o intuito principal é tratar cães e gatos de moradores de rua, catadores, moradores de favela e cidadãos que são atendidos por programas sociais dos governos, Organizações Não Governamentais (ONGs) e a Zoonoses” e solicita às pessoas que têm condição, para que os levem seus animais a um veterinário particular. Já que o hospital público possui um limite de atendimentos de mil consultas e 180 cirurgias mensais. “Já estamos criando uma fila de espera”, salienta. Há triagem feita por um assistente social antes do atendimento.
O hospital veterinário atende diariamente, das 7 às 19h, na Rua Professor Carlos Zagotis, nº 3 (esquina com a avenida Radial Leste), Tatuapé. Telefone: 11 2667-7804.



Aguarde mais curiosidades :-)

Nenhum comentário:

Postar um comentário